3 de setembro de 2011

DOIS CORAÇÕES A BATER NUM SÓ; parte 8.

Tumblr_lqex58h9z01r19rz4o1_500_large


Enquanto o vi movimentar as mãos nas cordas da guitarra, pensava que estava no céu, afinal ele é o meu céu.
Um minuto depois, ele olha-me, pousa os olhos na guitarra, e começa a tocar dois sons, as cordas e a sua voz.


« When I'm on the loose
It is you who's shining through and through again
Whenever the rain comes down, the sun turns gray
When I needed you, you were always there
When it comes to you, really nothing can compare


You feel what I feel, know what I know
Even through the darkest night
You'll see what I see
There's a reason to believe in you and me


I would die if you left me
Drowning in sorrow
Baby don't kill me tonight
Would you hold on to me, girl?
And love me tomorrow


When I'm feeling blue
It is you who's reaching out for me again
Whenever I need your wings to fly away

You feel what I feel, hear what I hear
Even through the darkest night
You'll sleep when I sleep
There's a reason to believe in faith cause
Heaven sent me you

I would die if you left me
Drowning in sorrow
Baby don't kill me tonight
Would you hold on to me, girl?
And love me tomorrow
Love me tomorrow again

So if you need me, I will be near
Another thousand miles, I will be there
I will hear you, I will see through
Even through the darkness I'll be true

I would die if you left me
Drowning in sorrow
Baby don't kill me tonight
And so I wrote you these words down
For you to remember
For you to remember why
I love you»

A guitarra deu o seu último som que ecoou na estufa e lágrimas de felicidade escorriam-me pelo rosto e eu não sabia como controlar o meu coração, apetecia-me aperta-lo, porque ele estava a sair-me pela boca.
«aceitas-me?»
«eternamente!»
Agarrou-me a mão e beijou-me a sua parte superior, olhou-me nos olhos e mordeu o lábio enquanto eu me limitei a sorrir.
«anda comigo.»
«onde?»
«vou mostrar-te uma coisa.»
Segui-o em passos de fada até que chegamos perto de uma árvore e ele me pegou ao colo. 
«espreita ai em cima.»
«não estou a ver nada!»
«ai mesmo à tua frente.»
Quando olhei em busca do desconhecido vi um ninho, pequenino com ovinhos amarelos. 
«de que ave são? que lindos, que pequeninos»
«de pomba branca em leque»
«mesmo?»
«sim. gostas?»
Ele pousou-me no chão e eu abracei-o.
«promete-me que agora não me vais deixar nunca»
«nunca, nunca.»
Ele agarrou-me a mão e saímos dali.
Meteu-me com ele na mota e levou-me até à praia, onde nos sentamos perto das dunas.
«que vamos falar Duarte?»
«queres falar?»
Olhei para ele com a sobrancelha carregada.
«ahahaha, que engraçada que ficaste.»
Sorri.
«queres ver-me fazer mais caras?»
«sim, sim.»
Fiz várias caretas para o fazer sorrir e estivemos uma/duas horas a brincar um com o outro, a perder a noção do tempo, do espaço, do ambiente, a perder-me, a perder-se. 
«Ana, pára, pára, essa cara de porco é demais.»
«não é de porco..»
«então?»
«é fazer beicinho..»
«ai desculpa, desculpa, é que tens um nariz tão fofo!»
«estás a dizer que tenho nariz de porco Duarte?»
«não, nada disso!.. Ai.. Oh Ana.»
Soltei uma gargalhada e ele sorriu para mim.
De repente a água do mar chegou aos nossos pés, estava a subir a maré.
Eu olhei o mar, e depois o olhar do Duarte.
E sabem? Ele olhou-me atrevidamente.
«estás a pensar no mesmo que eu Ana?»
E pisca o olho.
Estranhamente? Nem tive tempo de gritar que mal abri os olhos estava dentro de água com roupa. Fantástico.


{espero que gostem riquezas,
desculpem a demora,
mais uma vez,
ly}

10 comentários:

Rita Carvalho disse...

Mais um bocadinho fantástico de história!

Sara disse...

gostei fofinha <3

Maggie disse...

gostei tanto fofinha!

Soraia disse...

Estou a adorar princesa :D

Soraia disse...

De nada princesa!
Diz-me só o nome da música que puseste no post sff (:

Soraia disse...

Era a do post :P
A do blog eu já conheço a muito tempo (:
Obrigada princesa!

Maggie disse...

não tens de agradecer querida :)

Path* disse...

Gostei

Sara disse...

De nada linda! <3

joanarocha disse...

estive a ler a história de inicio e adorei, mesmo <3